terça-feira, 25 de dezembro de 2007

O PERDÃO CURA


“Quereis ser feliz por um instante? Vigiai-vos. Quereis ser feliz para sempre? Perdoai” (Henri Ladordaire).
Perdoa ao teu próximo o mal que te fez, e teus pecados serão perdoados quando pedires. “Um homem guarda rancor contra outro homem, e pede a Deus sua
cura!” .

Quando uma pessoa está sendo agredida, de um momento para outro ela multiplica sua força. Por um instinto de defesa, produz uma espécie de “veneno”, a adrenalina. Toda vez que se sente agredida ou relembra que tem um inimigo e precisa se defender ou agredi-lo, ela produz esse veneno, que vai para o sangue. Ora, sendo esse veneno jogado diversas vezes no sangue, ele afetará o corpo, a saúde física e o sistema nervoso.

O que acontece quando a pessoa perdoa? “Solta os presos” e “perde os inimigos”. Por isso não precisa mais fabricar esse veneno. Retira o lixo do coração e arranca os espinhos que geravam a infecção. Dessa maneira, suas feridas emocionais são curadas.

Em casa suja não pode haver saúde. O perdão provoca a limpeza dentro de nós. Por isso Jesus insiste tanto nisso. Ele pede que perdoemos 70 vezes 7. Quantas vezes já limpou sua casa? Quantas vezes já tomou banho? Quantas vezes é necessário perdoar? Pelo perdão, fazemos a limpeza e higiene de nosso interior. A partir do perdão temos bem mais saúde física, emocional e espiritual.
COMO MUDAR OS OUTROS?

O perdão cura também o outro, aquele que nos ofendeu. Podemos perceber que, quando mudamos, os outros mudam conosco. Se antes os agredíamos com “ondas de desamor” e agressividade, agora os reabilitamos. O perdão liberta tanto quem perdoa como quem é perdoado. Recria os dois. Torno-os novos porque torna novo o relacionamento.

Quando um toma iniciativa, tudo muda. Uma coisa é se vou até o outro armado, iniciando o relacionamento com palavras agressivas, acusações e violência. Outra coisa, bem diferente, é ir até ele de braços abertos, pronto para abraçá-lo, ou levando-lhe flores ou outro presente. Ele reagirá de forma bem diferente. Seu interior continuou o mesmo, porém o nosso mudou. Nós fomos até ele com “ondas de amor”, e ele reagiu conforme agimos.

A melhor maneira de mudar os outros é mudar a nossa maneira de ir até eles. Quantas vezes já tentamos “mudar alguém”! Pode ter acontecido que quase nada conseguimos. Vamos examinar a maneira como fizemos isso: “armados ou desarmados, sorrindo ou de cara fechada, de braços abertos ou com pedras na mão?”

Todos sempre temos em mente pessoas que queremos mudar, porque achamos que seu modo de ser e agir não é o melhor. Então vamos começar por nós mesmos. Vejamos como estamos indo até elas. Se queremos que mudem, vamos começar mudando nosso modo de relacionamento com elas. Podemos estar certos de que, quando mudarmos, o outro mudará seu modo de agir conosco.

Alguém precisa tomar a iniciativa. Que esse alguém sejamos nós mesmos. Todo o trabalho de cura interior que estamos propondo aqui causará uma verdadeira revolução positiva em nossa vida e, por conseqüência, na de todos os nossos familiares e demais pessoas com quem convivemos. Iniciemos com um trabalho de cura em nós mesmos e veremos a cura acontecer nos outros e em nossos relacionamentos.

Como sei que melhorei minha relação com o outro? Se ao invés de falar mal da pessoa que me ofendeu, por exemplo, meu pai, passo a falar bem dele. Deixando de falar de seu defeitos, começo destacar suas qualidades. Ao invés de me concentrar nas coisas ruins que ele me fez, passo a ver mais as suas atitudes positivas.

Nenhum comentário:

NOTÍCIAS DA IGREJA