sábado, 12 de abril de 2008

AGAPE

Ágape (em grego "αγάπη", transliterado para o latim "agape"), é uma das diversas palavras gregas para o amor.


A palavra foi usada de maneiras diferentes por uma variedade de fontes contemporâneas e antigas, incluindo os autores da Bíblia . Muitos pensaram que esta palavra representa o amor divino, incondicional, com auto-sacrifício ativo, pela vontade e pelo pensamento. Os filósofos gregos nos tempos de Platão e outros autores antigos usaram o termo para denotar o amor a um esposo ou a uma família, ou a afeição para uma atividade particular, em contraste com philia , uma afeição que poderia ser encontrada entre irmãos ou a afeição assexuada, e eros , uma afeição de natureza sexual.


USOS NA ANTIGUIDADE


O ágape, como um termo para o amor ou a afeição, é usado raramente em manuscritos antigos. Ele é um dos títulos da deusa Ísis, agape theon, ou "amada dos deuses", denotando seu papel como uma deusa da fertilidade e elevando-a como parceira de múltiplos deuses. Ágape aparece na Odisséia duas vezes, onde a palavra descreve algo que dá satisfação. É este uso é o mais comum em textos mais antigos, onde o ágape descreve um sentimento sobre uma determinada refeição, um sentimento para com as crianças ou esposo, e na epígrafe dos heróis que são descritos como sendo enoroen do agapeon, amantes ou aqueles que se contentam com os atos de heroísmo.


No império Romano, ágape era usado frequentemente como abertura de cartas de uma correspondência amigável, análogo ao uso moderno do termo "prezado".


Ágape e o verbo agapáo são usados extensivamente na Septuaginta com transliteração do termo em hebraico para o amor que denota o desejo sexual, a afeição para o esposo e as crianças, o amor entre irmãos, e o amor de Deus pela humanidade. É incerto porque foi escolhido o termo ágape, mas a similaridade de sons consonantes (a aba) pode ter sido decisivo. Não é impossível que o conceito grego originou-se mesmo como a transliteração de alguma língua semita. Este uso fornece o contexto para a escolha desta palavra em preferência a outras mais comuns, como o amor, em escritas Cristãs.


ÁGAPE NA CRISTANDADE


O ágape recebeu um uso mais largo pelos escritores Cristãos mais antigos como a palavra que denotou especificamente o amor Cristão ou a caridade (I Coríntios 13,8), ou mesmo Deus ele mesmo (I João, 4,8, agape do ein de Theos do, Deus é amor).


O Novo Testamento fornece um número definições e de exemplos de ágape que geralmente expandem os usados nos textos antigos, denotando o amor entre irmãos, o amor de um esposo com as crianças, e o amor de Deus para todos os povos.


O uso Cristão de ágape vem diretamente dos Evangelhos Canônicos. Quando perguntado qual era o maior mandamento, Jesus disse: "Amai (ágape) ao senhor vosso Deus com todo vosso coração e com toda vossa alma e com toda vossa mente". Este é o primeiro e maior de todos os mandamentos. E o segundo é: "Amai (ágape) vosso próximo como a vós mesmos. Toda a lei e os Profetas residem nestes dois mandamentos". (Mateus 22,37-41).


No Sermão da Montanha Jesus diz: "Ouvistes dizer: 'amarás (ágape) teu irmão e odiarás teu inimigo', mas eu vos digo: amai (ágape) vossos inimigos, fazei o bem aos que vos odeiam, e orai por aqueles que vos perseguem e maltratam, pois deste modo sereis filhos de vosso Pai nos céus, aquele que faz com que o sol se levante o mau e sobre o bom, e faz chover sobre o justo e sobre o injusto. Se amais apenas aqueles que vos amam, que recompensa tereis?"


Os escritores Cristãos descreveram geralmente o ágape, como exposto por Jesus, como uma expressão do amor que é incondicional e voluntário, isto é, não discrimina, não tem nenhuma pré-condição, e é algo que se decide fazer voluntariamente. O Apóstolo Paulo descreve o amor como segue: "O amor (ágape) é paciente, o amor é amável. Sem inveja, ele não tem ostentação, ele não é orgulhoso. Não é rude, ele não é interessado, ele não se irrita facilmente, ele não mantém nenhum registro dos erros. O amor não se deleita com o mal mas rejubila com a verdade. Protege sempre, confia sempre, sempre tem esperança, sempre persevera. O amor nunca falha." (I Coríntios, 13, 4:8).


O ágape foi explanado por muitos escritores Cristãos em um contexto especificamente Cristão. Thomas Jay Oord definiu o ágape como "uma resposta intencional para promover o bem-estar em resposta a quem gerou um mal-estar."


Biográfia: http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81gape

Um comentário:

Isolda disse...

Interessante essa explicação sobre o amor ágape.
Na verdade, as pessoas não dão muita importância a esse amor que é verdadeiro e transcendente. Infelizmente, o que tem regido o mundo é o amor éros. Por causa disto, muita gente boa tem se perdido pelo caminho.
Parabéns!
Esse blog precisa ser divulgado. É uma boa fonte de pesquisa.
Deus te abençoe!
Isolda

NOTÍCIAS DA IGREJA