quinta-feira, 29 de maio de 2008

NAMORO

Se existe algo que mexe com o coração de um jovem que começa a descobrira sua afetividade e a sua sexualidade, é o desejo de namorar. Esta fase da vida faz parte do crescimento do amadurecimento no relacionamento, não sendo o único, nem o maior, de exercitar a capacidade de amar.


PORQUE NAMORAR


Em primeiro lugar, é importante saber que o desejo de relacionar-se com o sexo oposto é algo natural e implica na forma como Deus nos criou. Tirando a mulher da costela (metade) do homem,Deus criou o princípio da complementariedade na sexualidade, entendida como todo o ser masculino ou feminino, nas suas características físicas, psicológicas e, em conseqüência, espirituais.


A partir de um certo momento do desenvolvimento humano, sente-se a necessidade e a sadia curiosidade de relacionar-se com o sexo oposto, de descobrir parte da riqueza, da diversidade da obra criativa de Deus, uma outra pessoa que não é igual a mim, mas que em muitos pontos chega a me complementar.


Neste ponto, o relacionamento com pessoas do outro sexo é enriquecedor e fonte de formação e edificação do meu crescimento como pessoa.


Entretanto, o que é belo e edificante pode-se transformarem situações que nem sempre nos edificarão ou contribuirão para o nosso crescimento.


QUANDO O NAMORO É PREJUDICIAL


Já vimos que o namoro não é prejudicial. Ele existe para edificar e construir uma pessoa. No entanto muitas coisas pode prejudicar um relacionamento a dois:


1 - Quando é fora do tempo:


Um relacionamento afetivo iniciado muito cedo, onde não se tem uma firmeza das coisas é muito prejudicial. Um namoro na adolescência é um condicionamento de ciúme, para a prática sistemática da masturbação. Sem falar nos pensamentos perdidos e que se lançam nos céus da paixão, atrapalhando os estudos e provocando uma ansiedade terrível quanto à chegada do tempo da "consumação" plena do sentimento, na sua transformação em "atos amorosos".


Podemos assim constatar muitos adolescentes grávidas que se deixaram levar pelas paixões, pelos desejos da carne. Tudo isto por não terem uma vida madura em Deus.


2 - Quando não tem um ideal:


Quando dois jovens começam a namorar, isso não significa absolutamente que eles irão se casar. Mas, deve significar, pelo menos, que eles pensam em se casar. Entregar a Mao, o rosto, os lábios e o tempo a uma pessoa com quem não se quer e nem pensa em casar, é pecado. Porque muitas vezes utilizamos as pessoas para tapar os buracos de carências que existe em nós.


3 - Quando é possessivo:


Há namorados que são verdadeiros "sanguessugas". Sentem-se donos da pessoa amada. Negam a dividir os direitos com os pais, os amigos e com a Igreja. Esses relacionamentos sempre terminam tensos, envoltos pelos ciúmes e frustração. Um jovem cristão tem que entender que a possessividade não vem de Deus. Jesus recomenda que o seu discípulo aprenda a renunciar (cf. Lc 14,33), que é o oposto da possessividade. Renunciar não significa abandonar, mas, antes, compreender em termos, o exercício da propriedade exclusiva.


4 - Quando é leviano:


O leviano é o que não procura refletir antes de agir, o que não está preocupado com a existência ou não de sentimentos nobres, e que muda de opiniões, comportamentos e atitudes rapidamente. No caso do namoro prático, são aqueles que começam o namoro sem uma avaliação séria e que, também, o terminam por qualquer motivo ou por outra "aventura" que supõem mais emocionante. A Bíblia nos ensina que o fim do leviano é ser envergonhado (cf. Jr 2,36).


Há uma passagem em 1Tm 5,11-12 que ataca a leviandade. Em Pr 26,18-19, o rapaz ou a jovem levianos estão fazendo um mal muito grande ao que foi iludido e, também, prejudicam-se inteiramente, pois estão formando dentro de si um caráter fraco e sem nobreza.


5 - Quando é indisciplinado:


Escutemos o que diz a palavra de Deus a esse respeito em Pr 5,1-12.


O v.12 diz que os problemas sexuais e sentimentais do rapaz do texto, prendem-se ao fato de ele ter "desprezado no seu coração a disciplina". A autodisciplina é um elemento muito importante na vida cristã. Como por exemplo, saber a hora de chegar e sair da casa da namorada, é virtude excepcional. Também o evitar lugares solitários. A Palavra em Hb 12,8-11 nos fala da disciplina.


6 - Quando afeta a comunhão com a Igreja:


Muitas pessoas que eram assíduas as reuniões de repente, começam a se ausentar em conseqüência de atribuírem ao namoro. A prioridade que a ele dão.


Todo namoro que prejudica a participação, a partilha fraterna, com proibições decorrentes da possessividade e do ciúme, não continuará sadio e nem com a aprovação de Deus.


Vamos ver o que diz a Palavra de Deus em Hb 10,25.


Aqueles que pensam que pode tornar o namoro no crescimento espiritual, sem a Igreja, a comunhão fraterna, está inequivocamente errado, e o seu namoro se tornará um fracasso.


7 - Quando entra a impureza moral:


Todo aquele que deseja assim fazer a vontade de Deus, deve ecoar em seu coração uma vida que não entristeça ao Espírito Santo, por causa da imoralidade. Vamos ler o que diz a Palavra que nos dá vida em 2Tm 2,22.


Mais quando se fala em impureza sempre fica uma interrogação. O que vem a ser a impureza? É o que iremos falar agora de modo específico.


A IMPUREZA NO NAMORO


É um dos grandes problemas que encontramos nos nossos grupos de oração, na RCC. Em Pr 30,18-19 nos mostra o mistério de um relacionamento entre um homem e uma mulher. Devemos lutar contra toda impureza que a sociedade nos coloca como algo normal.


Mais vamos entra de varias maneiras, digo, comportamentos:


TODO O PROCESSO DE INFILTRAÇÃO DA IMPUREZA NO NAMORO COMEÇA NO ACONCHEGO EXCESSIVO


Muitas vezes o amor que estão sentindo, que no fundo não é amor, acabam se deixando levar pelas paixões. Normalmente, no namoro, demarcam-se áreas proibidas e no resto vale tudo.


A moça pensa: "Se eu não entregar meus lábios, sensualmente, nem render meus seios à apalpadelas e aos beijos, recusar o toque nos meus órgãos genitais e certos movimentos eróticos com o meu namorado, está tudo bem". Só que ela esquece que o homem é um ser deveras excitado. Se um homem se abraçar sensualmente a um poste de ferro, ele acabará se excitando. Quanto mais se ele abraçar a moça que ele ama, bonita e convidativa.


Diante disto de serem diferente, o homem com o seu jeito começa a fazer declarações bonitas e românticas a namorada, dizendo coisas das suas emoções que estar no momento sentindo. Daí a namorada cheia de emoção pelo romantismo do namorado, caie na historia, e então os vulcões se encontram e começa a erupção conjunta.


Em 1Cor7,9 Paulo nos fala que as pessoas que estão abrasadas devem se casar. Mas por que ele fala isso? Porque o abrasamento as tensões que dela surgem, mais cedo ou mais tarde se aflorarão incontrolavelmente. Os desejos sexuais são comumente destituídas de racionalidade. Um jovem abrasado, porque daí parte para a relação sexual.


O ABRASAMENTO SEXUAL LEVA À MASTURBAÇÃO


Muitos jovens dizem: "Ainda bem que podemos usar a masturbação para aliviar a tensão". Mais quem diz isso ignora algumas coisas importantes.


Primeiramente, ignoram os resultados da vida de quem a prática. Pois, é uma situação sub-humana, de frustração, de nojo, de descontentamento e insatisfação que a masturbação patrocina. Sem falar na consciência de pecado.


Em segundo lugar, ignoram a posição Bíblica a respeito do assunto. A Palavra de Deus nos ensina que masturbação é pecado (cf. Mt 5,28). É impossível haver masturbação sem intenção impura no coração. Ninguém consegue se masturbar pensando "nas cataratas do Iguaçu". O pensamento de quem se masturba se prende a alguém do sexo oposto, e a imaginação corre solta, sem restrição.


A Palavra de Deus nos dá algumas recomendações (cf. 1Cor 6,13;18-20).


Em último lugar, ignoram o "livramento natural" que Deus dá. Todo homem tem, de modo natural, uma válvula de escape noturna para o fato da saturação do sêmen no seu órgão sexual. A Bíblia nos fala disso (cf. Lv 15,1-3). E essa imundice seria purificado com uma simples lavagem (cf. Lv 15,5). Tudo isso é um alívio que o próprio Deus concedeu ao homem, para as suas tensões sexuais (cf. 1Cor 10,13). Por este três motivos não vejo nenhuma justificativa para a masturbação.


Muitas vezes podemos ver que é por causa do abrasamento sexual que leva o jovem a se masturbar. Ex: ele vem da casa da namorada, com dores horríveis nos testículos pelos estímulos sexuais que recebeu, e, frustrado por não ter sentido o alívio imediato de seu desejo, apela para a masturbação. Mas o alívio que ele queria que não teve vai continuar persistindo-o. Então o namorado começa a estimular a namorada para que também se masturbe. Então um dia ela possa ceder para ele todo o seu corpo.


A MASTURBAÇÃO INICIA LIBERAÇÃO PARA A ENTREGA DOS SEIOS


Iniciando assim a masturbação na vida do jovem, onde já virou um vício ela acaba deixando o seu namorado explorar os seus seios. Hoje em dia no mundo é careta o namorado que não usa pelo menos, o apalpar dos seios. Como Sansão muitos jovens cristãos têm feito segundo o costume dos jovens do seu tempo (cf. Jz 14,10). Tão cultura deste mundo é perversão aos olhos de Deus, e os que a praticam acabam condicionando a mente a um estado doentio e responsável (cf. Rm 1,28-31).


Muitas moças não vêem nada de errado em deixar apalpar os seios. Mais vamos ver o que diz a Palavra (cf. Ez 23,3). Notemos que não era uma devassa, essa mulher do texto, mas, antes, uma virgem que entregara o seio, na paixão de sua juventude. O pior é que o pecado de entregar o seio é chamado de prostituição.


A carícia no seio é pecaminoso no relacionamento do namoro. Somente entre os casados são recomendável (cf. Pr 5,18-19). Deus sabe que o prazer sexual é bom, porque foi ele quem criou, mais para os casados (cf. Gn 2,24). Diante disso tudo vai ser difícil para um casal de namorados que já liberaram o uso dos seios para o prazer, continuarem somente nisto.


O APALPAR DOS SEIOS LEVA AO BEIJAR DOS SEIOS


Em Pr 16,27, a Palavra de Deus nos afirma que os lábios de um jovem apaixonado, que tem acesso ao seio da namorada, é, certamente, um indiscutível elemento de excitação pré-orgásmica.


Chegamos a outra conclusão da Palavra de Deus em Pr 6,27. Realmente isso é impossível. Diante disso os resultados são:


a) As vestes se incendeiam: ou seja, a jovem perde as veste, porque o beijar dos seus seios já exige que ela tire, pelo menos, a parte superior de sua vestimenta.


b) Os corpos se incendeiam: como símbolo de que o beijar de seios atinge, em excitação, a todo o corpo, e é difícil haver controle da situação em meio a essa prática. Com o livre acesso para beijar os seios, os jovens namorados estão prontos para se deitarem juntos. Deve-se evitar todo deitar-se juntos para que não se venha a despertar a relação sexual.


A RELAÇÃO SEXUAL PRÉ-CONJUGAL CONDUZ À HUMILHAÇÃO


Em Gn 34,1-3, fala da violência que leva a pessoa a uma humilhação, vejamos: viu-a, tomou-a, possuiu-a e violentou-a. É uma narrativa rápida de um namoro mal orientado. Todo namoro começa no viu-a. É o flerte. Depois passa ao tomando-a. Não acontece em todos os namoros, mais na maioria, significa a entrega do corpo. E por fim vem a violência. Ai estar a desgraça de muitas moças. Muitas são abandonadas, e diante da sociedade que temos onde o homem só quer casar com a moça que for virgem. Fora onde em outros casos a moça fica grávida, na juventude, na sua adolescência.


Então neste pequeno passos podemos ver o que é uma vida de relacionamento a dois num namoro, onde se deixa entrar a impureza.


Que Deus que é nosso Pai possa nos, livrar de toda essa vida de impureza, e que os nossos namoros possam ser edificantes e cheios da benção de Deus.


AS ARMAS PARA SE COMBATER AS TENTAÇÕES


Primeira Arma: Mt 26,41. Está em "vigia". Mais do que isso significa? No dicionário o termo é: observar atentamente; espreitar; velar; estar acordado ou atento; estar de sentinela; precaver-se. Ex: Em Gn 15,10-11. Vigiar é combater as tentativas de descida dos "abutres de tentações", e é desfazer "ninhos de tentações" em nossas cabeças. Sacuda a cabeça, mas não fique com a tentação agasalhada pacificamente na sua mente.


Ser tentado não é pecado, já que Jesus também foi tentado. O pecado estar em aceitar no coração a sugestão pecaminosa da tentação. A Palavra de Deus nos fala (cf. Tg 4,7).


Segunda Arma: Jesus ainda nos diz na Palavra em Mateus. "Orai". Orar todos os dias e nos momentos que for tentado para não cair. Pedir ajuda ao Senhor para não pecar.


Terceira Arma: Jesus nos diz: "A carne é fraca". O fracasso de muito jovens é achar que pode vencer as tentações com as suas próprias forças. A Palavra de Deus nos fala (cf. 2Cor 10,3-5). Paulo assim afirmava que não militava na carne mais sim no espírito (cf. Rm 8,4).


Quarta Arma: "Ocupar a mente". Na luta contra as tentações cabe uma parte ao homem. Paulo nos dá o macete para estes momentos em Fl 4,8-9. Neste ponto de combate, a Palavra de Deus nos estimula a termos pensamentos santos, puros.


Temos que fazer grande exercício mental, para lutarmos contra toda mentira, em todas as formas. Contra o desrespeito no tratar, falar e olhar. Contra toda mentira e impureza que se vê na TV, nas revistas, como nas piadas que se ouve por ai.


VAMOS ORAR


"Pai, venho louvar-te e glorificar o teu santo Nome. Por toda riqueza que nos deste como homens e mulheres, com tudo de especial que cada sexo trás em si. Ilumina os nossos namoros, para que eles sejam edificantes, que possam agradar o vosso coração de Pai.


Senhor, faz-nos santos, que os nossos namoros sejam namoros santos em Ti que o Teu Espírito Santo possa estar sempre conosco.


Muito obrigado meu Senhor, Amém! Aleluia!"

Um comentário:

paciência disse...

A paz irmãos!!! Esse esclarecimento sobre o namoro cristão é ótimo.como cristãos precisamos está bem informados p/nos defender em meio a sociedade q/prega o "td pode". conheço muitos jovens frustados em sua sexualidade e q/n/se deixam amar por Deus.esse artigo deveria ser publicado nos jornais!!! risos,É possível irmãos viver a castidade!!!

NOTÍCIAS DA IGREJA